Mais de 180.000 pessoas seguem este blog. Verifique nosso contador:

Seja um seguidor deste blog (preencha com seu e-mail)

O trabalho psicopedagógico na terceira idade


Engana-se quem pensa que o atendimento psicopedagógico é apenas para crianças em idade escolar. Do dia em que nascemos até o último dia que vivemos, estaremos sempre propícios a aprender algo. Para que isso aconteça, é necessário que estejamos preparados para assimilar, compreender o mundo a nossa volta e transformar o objeto de aprendizagem.

Na idade adulta, não é diferente, muito menos na fase da terceira idade. Para termos uma passagem saudável por este momento de angustia, frustração e medo do que virá pela frente, é importante que estejamos seguros para enfrentarmos esta transição e transformação com dignidade. O envelhecimento bem sucedido depende da capacidade e da forma que o indivíduo idoso possui para responder e adaptar-se aos desafios resultantes das transformações do corpo, da mente e do ambiente.

O trabalho psicopedagógico pode e deve ser utilizado também em atendimento individual ou institucional com adultos e principalmente, com idosos, no atendimento clínico, home care ou em asilos. Almejando uma melhor adaptação aos novos ambientes, com reeducação, estímulos psicomotores, linguagem, assimilação de leitura e escrita entre outras coisas.

O psicopedagogo também pode trabalhar com a questão de envelhecimento e projeto de vida com foco na qualidade da saúde física e mental, adaptação na transição do trabalho x aposentadoria.

E por fim, trabalhar a valorização de sua história de vida. O psicopedagogo precisa estar atento à valorização dos significados que cada idoso apresenta ao sentido que assegura a sua razão de existir. Não basta a dedicação externa aos cuidados externos e o conhecimento das suas necessidades básicas, se seus sentimentos não forem respeitados. O idoso precisa reconhecer-se como ser humano e sentir-se capaz de realizar algo que deseja. 

O trabalho psicopedagógico tende a ser complementado com conhecimentos adquiridos pelo próprio psicopedagogo, que são: psicanálise, psicossociologia, farmacologia, psicomotricidade, arteterapia entre outros.

Enfim, espero ter colaborado com algumas de suas dúvidas. Se você se interessou sobre o assunto ou quer entender melhor as dificuldades, entre em contato e agende uma sessão de orientação. Para profissionais da psicopedagogia que necessitam de auxilio para diagnóstico e intervenção adequada, realizo supervisão nos seus atendimentos. 


Prof. Dra. Regiane Souza Neves - Atua há 26 anos na área da educação onde foi professora, coordenadora pedagógica e diretora, sendo que nesta última função permaneceu por 15 anos como diretora na educação básica e está há 7 anos como diretora do CEADEH Centro de Estudos Avançados em Desenvolvimento Educacional e Humano (escola de formação continuada para educadores). Também atua há 11 anos em clínica como neuropsicopedagoga, neuropsicologa, psicopedagoga, psicomotricista e psicanalista, onde realiza diagnósticos para transtornos do neurodesenvolvimento como TEA, TDAH, TOD entre outros. Há 20 anos atua em estudos e desenvolvimento de políticas públicas.