Mais de 180.000 pessoas seguem este blog. Verifique nosso contador:

Seja um seguidor deste blog (preencha com seu e-mail)

A palavra é: SORORIDADE

E de repente, nos vemos falando nessa tal SORORIDADE!

Pra saber...
 "Sororidade é a união e aliança entre mulheres, baseado na empatia e companheirismo, em busca de alcançar objetivos em comum. O conceito da sororidade está fortemente presente no feminismo, sendo definido como um aspecto de dimensão ética, política e prática deste movimento de igualdade entre os gêneros. Do ponto de vista do feminismo, a sororidade consiste no não julgamento prévio entre as próprias mulheres que, na maioria das vezes, ajudam a fortalecer estereótipos preconceituosos criados por uma sociedade machista e patriarcal. A sororidade é um dos principais alicerces do feminismo, pois sem a ideia de “irmandade” entre as mulheres, o movimento não conseguiria ganhar proporções significativas para impor as suas reivindicações. A origem da palavra sororidade está no latim sóror, que significa “irmãs”. Este termo pode ser considerado a versão feminina da fraternidade, que se originou a partir do prefixo frater, que quer dizer 'irmão'."

Será que o seu significado realmente é compartilhado entre as mulheres?

A palavra até que soa foneticamente bonita e de um significado representativo, que veio para quebrar a rivalidade entre as mulheres. Mas, vamos falar a verdade? A sororidade é seletiva!

Quando é que finalmente as mulheres estarão prontas para resgatar outras mulheres que vivem uma situação de machismo e discriminação nas relações de liderança? Quando realmente as mulheres deixarão de lado sua condição opressora ou de rivalidade com relação às outras mulheres em posições diferentes e até mesmo semelhantes, para criarem a "irmandade" e lutarem todas do mesmo lado? Infelizmente, neste caso, a tal SORORIDADE está muito longe de fazer sentido.

Falamos sempre sobre a problemática machista, o quanto esta cultura do patriarcado tem impedido as mulheres de ocuparem seus lugares equiparados aos homens. No entanto, se faz necessário reforçarmos a questão da rivalidade feminina. Sempre que posso, falo sobre este assunto, pois principalmente esta rivalidade acontece em espaços de poder, entre mulheres.

Outro fator é o boicote. "Uma sobre e puxa a outra", só se for o tapete!

Sim, as mulheres se boicotam entre elas, uma está sempre tentando puxar o tapete da outra. E não venha me dizer que isso não acontece. Não venha declamar aquelas frases feministas de efeito. Tudo isso, é uma grande utopia. Não venha com o seu discurso raso sobre "so-ro-ri-da-de", eu sou mulher e sei o que enfrento e vejo outras mulheres enfrentando nas relações corporativas, políticas e sociais, por aí, entre nós mesmas. Sofro e presencio o sofrimento de outras por causa da rivalidade. Não é nada fácil conseguir realmente conquistar a  tal "irmandade", justamente porque umas não entendem as outras, umas não tem empatia pelas outras e isso nos torna longe, muito longe, de alcançarmos este nível tão evoluído de consciência.

Na política, mulheres de esquerda odeiam as de direita e vice-versa. Nos movimentos sociais, incluindo os feministas, a segregação é tão visível e brutal com relação a raça, cor, etnia, nível social que muitas vezes pensei em deixar de lado minha militância pelo empoderamento feminino.

Vemos diariamente, mulheres se atacando pelas redes sociais pelo fato de discordarem umas das outras. E quem disse que não podemos nos unir em prol de um sentimento de pertencimento a determinado ambiente mesmo que nossas ideias sejam divergentes? A pluralidade de ideias é o que nos mantem seguindo a diante, em constante crescimento intelectual e social.

Nós falamos tanto sobre questões de gênero e continuamos reforçando os comportamentos que queremos combater, sendo o principal deles a ignorância.

Aliás, vale refletirmos sobre o feminismo que praticamos, se ele empoderar e der a voz à algumas mulheres enquanto oprime e cala outras, sinto dizer, mas ele também não tem relevância. O feminismo também é opressor, também é perigoso e violento quando ataca o direito de outra mulher escolher sua conduta, seu caminho, sua família, sua religião, seu lado político...

Não se esqueça, respeitar uma opinião diferente da sua não significa ser obrigado a concordar com ela. Só não tem condições de compreender isso, quem ainda não alcançou maturidade suficiente para tanto.

E pra terminar, coloco esta imagem que reflete bem o que penso...