Mais de 180.000 pessoas seguem este blog. Verifique nosso contador:

Seja um seguidor deste blog (preencha com seu e-mail)

Mindfulness e Autismo


Terapias como Yoga, Mindfulness, meditação vêm sendo cada vez mais procuradas, não apenas para enfrentar rotinas diárias exaustivas mas também como terapia para depressão, ansiedade e Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). 

Essas técnicas conhecidas como ‘Mind-Body Therapies’ buscam a conexão entre o corpo, mente e saúde. Recentes publicações mostram que até 30% dos pacientes com TEA fazem alguma terapia envolvendo ‘Mind-Body Therapies’. Alem disso, mais de 80% dos pais de pacientes com TEA usam técnicas relacionadas a essas terapias diariamente (como, por exemplo, respiração profunda) com seus filhos. Os resultados positivos podem ser relacionados à ansiedade, depressão, estresse e qualidade do sono.

Sobre a técnica do Mindfulness, vários estudos mostraram melhoras em parâmetros emocionais dos pacientes, tanto para aqueles pacientes que realizaram sessões individuais como os que estavam acompanhados do pai/mãe. Um estudo especificamente indicou o tempo de no mínimo nove semanas para que os primeiros avanços comportamentais pudessem ser notados. Um dos pacientes envolvidos em um estudo relatou que as sessões o ensinaram a manter-se calmo em situações como a de esperar o metrô chegar, mesmo com muitas pessoas correndo perto dele e com muito barulho.

Após sessões de meditação, os pacientes demonstraram melhoras comportamentais em sala de aula, além de menos ansiedade e hiperatividade. É importante salientar que os estudos esclarecem que não são usadas metáforas durante as sessões (por exemplo, ‘esvazie a sua mente’), visto que os pacientes podem ter dificuldades de compreensão por serem literais.

As direções  futuras relacionadas a essas técnicas são promissoras em pacientes com TEA. Este estudo salienta que é possível essas terapias estarem presentes na rotina de pacientes com o objetivo de melhorar diversos parâmetros comportamentais, emocionais e de autoconhecimento para mente e corpo. Inclusive, auxilia muito na diminuição de estereotipias, sobrecarga sensorial e transtornos compulsivos.


Dra. Regiane Souza Neves

Referência completa: Sarah Hourston and Ranchel Atchley. Autism and Mind–Body Therapies: a Systematic Review.  The Journal of Alternative and Complementary Medicine, volume 23, number 5, PP.333-339.